Menu
RSS


«Home Again» (Uma Casa Cheia) por Aníbal Santiago

Uma quarentona em crise, que se separou recentemente, recebe em casa três indivíduos mais jovens. Esta poderia ser a premissa de um filme pornográfico, de uma sitcom ou de uma comédia romântica. É a premissa de "Home Again", que não está em exibição no PornHub ou em sites do género, mas sim nas salas de cinema. Diga-se que "Home Again" não é um filme pornográfico, mas os seus diálogos e o seu argumento são maus ao ponto de parecerem perfeitos para uma obra de um género que outrora figurava nos cantos recônditos dos clubes de vídeo. Por sua vez, a primeira longa-metragem realizada por Hallie Meyers-Shyer (a filha de Nancy Meyers) teria de constar numa secção dedicada aos desastres colossais.

Os diálogos são exasperantes, os personagens contam com a densidade de uma folha de papel, as situações de maior tensão raramente são sentidas ou desenvolvidas, os dilemas da protagonista são expostos de forma simplista e a banda sonora parece ter saído de um template que serve para qualquer comédia romântica. Junte-se uma miríade de momentos de humor que provocam mais bocejos do que risos e tudo piora. É tudo demasiado insípido e pouco genuíno, com Meyers-Shyer a realizar um mau filme de Nancy Meyers. Já Reese Witherspoon prova que gosta de dar uns quantos passos atrás na carreira, com a atriz a voltar a estampar-se ao comprido numa comédia. Ela dá vida a Alice, uma mulher que se mudou com as jovens Isabel (Lola Flanery) e Rosie (Eden Grace Redfield), as suas filhas, para Los Angeles, tendo em vista a afastar-se temporariamente de Austen (Michael Sheen), o seu marido.

Alice habita na casa do falecido pai, um cineasta famoso, tendo de decidir se avança com o divórcio ou recupera a relação com o esposo, enquanto tenta um novo rumo profissional. Na noite da sua festa de quarenta anos, ela conhece Harry (Pico Alexander), um aspirante a realizador que foi recentemente despejado, juntamente com Teddy (Nat Wolff) e George (Jon Rudnitsky), dois amigos. George pretende vingar como argumentista, enquanto Teddy quer trabalhar como ator. O trio acaba por se instalar temporariamente na casa de Alice, um espaço dotado de enormes luxos. Como é que alguém aceita que três estranhos, que conhecera na noite anterior, habitem em sua casa e convivam com as duas filhas sem questionar seriamente essa situação? Meyers-Shyer evita abordar qualquer temática com complexidade ou credibilidade, seja a presença de três indivíduos na casa da protagonista ou os dilemas desta mulher. 

Quase tudo gira em volta dos problemas de Alice. Nada contra essa situação. O problema é que ela e os seus dilemas despertam um enorme desinteresse, tal como os elementos que rodeiam a protagonista. Note-se o caso de Harry, com Pico Alexander a brindar-nos com uma interpretação dotada de falta de inspiração e de carisma. Diga-se que Harry envolve-se com Alice, pelo menos até Austen aparecer em cena e desorganizar as contas. Também Michael Sheen não tem espaço para sobressair, com os integrantes do elenco a serem prejudicados pelo péssimo argumento e pela incapacidade de Meyers-Shyer para desenvolver as dinâmicas entre os personagens e as temáticas que atira para o interior do enredo. Pelo caminho, "Home Again" apresenta ainda um ou outro comentário sobre Hollywood e a ingerência dos produtores, algo que certamente não deve ter acontecido no desenvolvimento do filme ou a cineasta não contasse com a mãe neste cargo.

Como diz a música, "Always Look on the Bright Side of Life". Por isso, podemos encarar "Home Again" através de outro prisma, nomeadamente, o facto de ser um hino à igualdade de género. Se o filho de John Landis pode escrever argumentos risíveis como o de "American Ultra", também a filha de Nancy Meyers tem o direito de realizar um filme sofrível e exasperante como "Home Again".

Aníbal Santiago



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos